Amor de Deus
11/01/2016 07:53 em Cristomania.net

 

Papa Francisco fala do enorme amor de Deus

que nos abraça apesar dos nossos pecados

O amor de Deus é infinito e não tem limites. Isto disse o Papa Francisco durante a homilia da Missa que celebrou em Santa Marta hoje de manhã, onde explicou que Deus espera a cada pessoa para abraçá-la, apesar dos seus pecados.

E “Para que nos espera? ”, perguntou-se. “Para nos abraçar, nada mais. Para dizer: ‘Filho, filha, eu te amo. Deixei que crucificassem o meu Filho por ti; este é o preço de deste amor é o presente de amor”, refletiu o Papa.

Francisco comentou a primeira leitura da liturgia do dia, do apóstolo São João, que fala sobre os dois mandamentos principais da vida: o amor de Deus e o amor ao próximo e assinalou que “o Senhor me espera, o Senhor quer que eu abra a porta de meu coração”: esta certeza, insiste Francisco, precisamos tê-la “sempre”. E se surgir uma dúvida se nos sentimos dignos do amor de Deus, é melhor – exclama o Papa – porque Ele te espera assim como tu és, não como te dizem “que precisa fazer”.

“Ir ao Senhor e dizer: ‘Mas tu sabes, Senhor, que te amo’. Ou senão, posso dizer assim: ‘Sabes, Senhor, que eu gostaria de te amar, mas sou muito pecador, muito pecadora”. E Ele fará o mesmo que fez com o filho pródigo, que gastou todo o dinheiro em vícios: nem te deixará acabar a frase, e com um abraço te calará. O abraço do amor de Deus”.

O Santo Padre meditou sobre o significado da palavra “amor”, citada tantas vezes e, quando usada, não se sabe o que significa exatamente.

“Que é o amor? Às vezes pensamos no amor das novelas, não, aquilo não parece amor. Ou o amor pode parecer um entusiasmo por uma pessoa e depois...se apaga”.

 

 

“De onde vem o verdadeiro amor? Quem ama foi gerado por Deus, porque Deus é amor”, explicou.

Em seguida, Francisco apontou que Deus ama “por primeiro”. A prova disso é a narração no Evangelho da multiplicação dos pães, proposta pela liturgia: Jesus olha para a multidão e sente “compaixão”, o que – explicou Francisco – “não é a mesma coisa que sentir pena”. Porque o amor que Jesus nutre pelas pessoas que o circundam “o leva a ‘sofrer com elas, a se envolver na vida das pessoas”.

“Quando temos alguma coisa no coração e queremos pedir perdão ao Senhor, é Ele que nos espera para nos dar o perdão”, acrescentou.

Ao finalizar, o Papa Francisco recordou que “neste Ano da Misericórdia recorda um pouco isso também: que nós sabemos que o Senhor está nos aguardando, a cada um de nós”.

Primeira Leitura

Primeira Carta de São João 4,7-10

Amados, amemo-nos uns aos outros; porque o amor é de Deus; e qualquer que ama é nascido de Deus e conhece a Deus. Aquele que não ama não conhece a Deus; porque Deus é amor. Nisto se manifestou o amor de Deus para conosco: que Deus enviou seu Filho unigênito ao mundo, para que por ele vivamos. Nisto está o amor, não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que ele nos amou a nós, e enviou seu Filho para propiciação pelos nossos pecados.

Evangelho do dia:

São Marcos 6,34-44

E Jesus, saindo, viu uma grande multidão, e teve compaixão deles, porque eram como ovelhas que não têm pastor; e começou a ensinar-lhes muitas coisas. E, como o dia fosse já muito adiantado, os seus discípulos se aproximaram dele, e lhe disseram: O lugar é deserto, e o dia está já muito adiantado.

Despede-os, para que vão aos lugares e aldeias circunvizinhas, e comprem pão para si; porque não têm que comer.

Ele, porém, respondendo, lhes disse: Dai-lhes vós de comer. E eles disseram-lhe: Iremos nós, e compraremos duzentos dinheiros de pão para lhes darmos de comer? E ele disse-lhes: Quantos pães tendes? Ide ver. E, sabendo-o eles, disseram: Cinco pães e dois peixes.

E ordenou-lhes que fizessem assentar a todos, em ranchos, sobre a erva verde. E assentaram-se repartidos de cem em cem, e de cinquenta em cinquenta.E, tomando ele os cinco pães e os dois peixes, levantou os olhos ao céu, abençoou e partiu os pães, e deu-os aos seus discípulos para que os pusessem diante deles. E repartiu os dois peixes por todos.

E todos comeram, e ficaram fartos; E levantaram doze alcofas cheias de pedaços de pão e de peixe. E os que comeram os pães eram quase cinco mil homens.

COMENTÁRIOS
Tradutor / Translator